Review Revenge 03x20 - Revolution



Depois de um Allegiance épico com excelentes momentos, Revenge volta de um hiatus para a reta final da temporada, com um Revolution simplesmente de tirar o fôlego. É um episódio para mostrar a todos que a série voltou aos trilhos e consegue surpreender como sempre. Ele teve sua base na essência de Revenge: teias de manipulações e intrigas que fazem com que ninguém saiba o que vai acontecer. Ninguém tem o controle.

Antes de seguir aos fatos eu quero fazer uma observação sobre as frases de efeito que estão presentes na maioria dos episódios e que significam muita coisa. No episódio passado, Emily diz que em uma Aliança você precisa saber se o aliado é um verdadeiro amigo ou um inimigo disfarçado. Isso, ao meu ver, tinha a ver com Emily em relação a Pascal e Victoria com relação a Emily. As duas descobriram que seus “aliados” eram na realidade inimigos. Até porque, mesmo Victoria detestando Emily desde sempre, em Fear elas formam uma aliança contra Ashley e antes do casamento ela achava que Emily sendo uma Grayson iria defender a família.

Passando para Revolution, nós temos Emily dizendo que uma revolução só termina quando um lado é derrotado ou quando os dois lados se tornam um só. E isso, na minha concepção tem muito a ver não só com o episódio, mas para o futuro da série de modo que consigo ver isso no próximo episódio. Porém, vou contar minha teoria ao longo da review. É necessário algumas cenas para eu poder embasar o que quero passar, por isso, continue lendo!

O capítulo começa com Aiden encontrando Conrad, que continua insistindo para o britânico se aliar a ele. Conrad dá um ultimato: Aiden tem que cuidar de Pascal – se é que você me entende – em 24 horas se não ele irá entregá-lo para o francês. Por que entregá-lo? Simples: é só dizer que Aiden é o filho do cara morto por Pascal e que estava a procura do homem que sabia que Pascal era culpado pela morte desse mesmo homem. Pronto! Aiden, agora você precisa correr como o Jack Bauer, porque além de tudo, os franceses odeiam os britânicos.

Após saber da meia verdade de Emily, Victoria está apreensiva. Ela enxerga que aquela armação no casamento poderia ter sido seu fim e que Ems estava por trás disso. Ela teme qual será o próximo passo da nossa revenger. Isso confirma o que eu disse em várias respostas aos comentários da review passada. Não tem como Victoria e Emily serem aliadas. Elas se odeiam mortalmente e Victoria se sente culpada até hoje por tudo o que aconteceu com David. Ela sabe que Emily só se casou com Daniel para derrubar os Graysons. Ela não é idiota de tentar uma aliança.

Pascal resolve pedir a mão da rainha dos Hamptons em casamento. Reparem bem em uma coisa: ele a pede enquanto ela está de costas para ele. Ela fica com uma cara pensativa, meio tristonha. Depois se vira com lágrimas em olhos quase recusando o pedido. É então que ele mostra o anel e menos de um segundo depois ela diz “sim”. Isso, amigos, é o poder que um diamante de 1000 kilates e kimias tem HAUHAUHAUHAUHAUHA. Agora sério, acredito no amor dela por ele. Acho que ela deve ter pensado se não colocaria em risco com essa história da Emily.

Pascal vai dar uma voltinha pela cidade quando uma van para, sai um homem encapuçado que coloca uma arma na nuca dele e qual é sua primeira reação? Perguntar ao indivíduo: “quem é você?”. Isso mesmo, Pascal, ele vai dizer que se chama Aiden Mathis e que está te sequestrando a mando de Emily Thorne -SQN. Ao chegar no cativeiro, que lembra um escritório do FBI – não que eu já tenho entrado em um, mas acredito que seja assim – ele dá de cara com ninguém menos que Emily. Ela prontamente diz que não é a senhorita Thorne, mas sim Sharon Carter e o questiona por não ter ido assistir o Capitão América 2.

Brincadeiras à parte, ela diz que é Rebeca Stone e que é uma agente da Homeland Security. Fiquei curioso e googlei: Homeland security é uma organização nacional dos EUA que é responsável por prevenir ataque terrorista. Ou seja, muito bem relacionado com os Graysons cujo o sobrenome do meio é terrorista. Rebeca, Emily, Amanda, ou seja lá quem for, explica que vem investigando os Graysons por três anos e quer que Pascal a ajude com provas para incriminá-los. Como ele diz que não tem nada a dizer, ela pega o seu telefone.

Só que no telefone o que deveria ser a prova da qual Pascal ameaçou Conrad, há a gravação, mas como Pascal disse ele controla o que o mundo ouve. Sendo assim, ele fez com que Conrad achasse que aquela gravação fosse uma prova contra ele, quando não era. Isso faz Emily tomar medidas mais sérias. Ela mostra provas para Pascal de que ela pode acabar com ele e até ameaça colocar Margaux no meio. É então que o francês cai em si e promete cooperar para entregar Conrad, mas ele não aceita entregar Victoria no combo.

O plano é fazer Pascal conseguir uma confissão de Conrad e depois disso entregá-lo ao Aiden. O britânico cuidará como quiser do francês, afinal depois de tanto tempo achando que seu pai se suicidou ele não poderia deixar em branco e não se vingar do cara que matou seu pai. Pobre Aiden, nem sabe o que Pascal tem pela frente.

Saindo da parte Arquivo X do episódio, temos uma Charlotte desesperada. Ela encontra uma carta endereçada para “Charlotte Clarke” com uma caligrafia bem parecida com a do falecido David Clarke. Nessa hora eu pensei: acabou gente, David está vivo, ele vai aparecer, dar uma surra na Emily por ser uma menina má e revelar que ele estava dentro do esquema mesmo e é isso aí. Depois de cair em mim eu vi que isso não era tão absurdo de acontecer, mas achei melhor deixar para lá.

Charlotte vai falar com sua mãe e pergunta se tem alguma chance dele estar vivo. Victoria começa: “Charlotte…”. Aqui é o que ela queria dizer de verdade: “… estamos em uma série em que pessoas ressuscitam do nada e reaparecem de lugar algum, é claro que há grandes chances de David estar vivo. Aliás, eu espero que isso aconteça!” Aqui é o que ela diz: “… aquela Emily – ela não diz nome, mas deixa subentendido – sempre está por trás de tudo, ela quer destruir nossa família, você não vê?” – like a Carminha falando da Rita (A editora aproveita para se intrometer: meu deus, piada de Avenida Brasil. O que é isso, 2012?).

Resumindo: Victoria desconversa e diz para sua filha esquecer. Como Sunil Nayar resolveu ler minhas reviews e atender as minhas preces, Charlotte não esquece e procura Jack. Se fosse antes, Jack abafaria a história e diria que é só um louco que quer causar. Porém, o Sunilzinho resolveu atender minha segunda prece e Jack resolve ajudar Charlotte a investigar essa história. Valeu Nayar! Falta só mais uma prece e já pode pedir música no Fantástico! PS: Quem sofre nisso tudo? Isso mesmo, Carl, que consegue ser mais insignificante que Charlotte – e isso é sério.


Matéria original de Brenno Tavares - PortalCaneca.com.br 
comments powered by Disqus